top of page

OPOSTOS PSICOLÓGICOS, UMA FORMA ALTERNATIVA DE COMBINAR CORES.

Fazem 10 anos que tenho certeza que o círculo cromático é a melhor ferramenta jamais inventada para compreender o mundo das cores e também é uma das maiores ameaças à criatividade e liberdade de todo colorista.


Exagero da minha parte? Não, tenho total certeza do que estou dizendo.


Deixa te explicar: quando era estudante de design de interiores me apresentaram o círculo cromático. A minha primeira impressão foi de êxtase: só de pensar que podia carregar nas minhas mãos tantas possibilidades de combinações, me fazia feliz. Foi amor a primeira vista.


Até que... realizando os exercícios propostos nas aulas pelas professoras vi que todos os alunos realizávamos exatamente as mesmas combinações quando usávamos o círculo para combinar.


Amarelo, sempre com violeta. Vermelho, sempre com verde. Azul, sempre com laranja. As três primárias juntas, ou as três secundárias juntas. Azul, também com verde. Violeta, também com vermelho. Laranja, também com amarelo.... e mais outras combinações que fico feliz de não lembrar.

Quando vi que o círculo cromático nos levava sempre ao mesmo lugar fiquei pasma. Ainda quando o círculo cromático possa oferecer muitas possibilidades de combinações de cores, sempre são as mesmas. Essa conta não me fechava.


Desde então o círculo cromático é para mim uma ferramenta que tem prós e contras e portanto, deve ser usada com sabedoria. É preciso saber quando ele é útil e gera valor, e ao mesmo tempo, saber quando ele é limitado e portanto precisa ser guardado dentro de uma gaveta, fora do seu alcance.

O mais interessante disto tudo foi entender rapidamente que eu precisava desenvolver outros métodos de combinar cores que fossem mais livres, soltos e de alguma forma, criativos.


Hoje consigo pensar em vários métodos, uns mais objetivos como o próprio círculo e outros mais subjetivos. Entre estes últimos um método muito divertido de usar é o dos opostos psicológicos.


Eu chamo de opostos psicológicos aquelas cores que pela sua simbologia carregam significados díspares mas que formam belos duos quando se juntam.


Este método de combinar consiste em criar paletas coloridas usando cores de simbologias opostas, ou contrastantes. Ou seja, criar contrastes pelo simbolismo primeiro para depois calibrar as tonalidades.


Vamos aos exemplos:


1. Amarelo e cinza: amarelo é a cor da alegria e do otimismo, uma cor que eleva a energia e nos convida a entrar em ação, nem que seja com um raciocínio rápido. Cinza é a cor da tristeza e do conformismo, uma cor que se te pega desprevenida pode te deixar imobilizada sem tomar decisões por um bom tempo, o famoso "acima do muro".




2. Vermelho e verde: vermelho é a cor da vida animal, símbolo do sangue que leva oxigênio para todos os cantos do corpo. Verde é a cor da vida natural e também da vida sobrenatural.



3. Preto com beige: preto é uma cor determinada e decidida, uma cor cheia de intenção e sem rodeios. Beige é uma cor nebulosa, parece que está voando, um cor que pode sumir em um sopro.




Escrevi um outro post sobre opostos psicológicos em 2020. Pensando em todo que passamos desde a pandemia até agora me faz sentir que 2020 foi séculos atrás. Parece um passado muito passado. Você pode ver esse outro post clicando aqui.


Pensar as combinações de cores pelos contrastes das simbologias é um caminho alternativo que tenho certeza vai te levar a usar cores fora da caixa, em combinações inusitadas e mais livres.


Espero de coração que você reflita nesta possibilidade e se entregue a alguns testes. Lembra que as simbologias das cores são muito influenciadas pelo contexto portanto ao procurar essas simbologias opostas, faça isso sempre pensando em um determinado contexto.


Boas combinações para você!

Abraço colorido!


Felicitas




logo Cores Lovers
bottom of page