COMO USAR COR COMO UM ARTISTA


“Na realidade trabalha-se com poucas cores. O que dá a ilusão do seu numero é serem postas no seu justo lugar” Pablo Picasso (1881-1973)

Artistas de todos os tempos, tanto figurativos quanto abstratos, têm usado a cor não somente pela sua beleza, mas para transmitir emoções e estados de espírito. Muitas obras, que vemos em museus, em livros ou cursos de arte, acabam ficando na nossa memória pela sua expressividade e porque são felizes em tocar o nosso coração. Quando trabalhamos para um cliente e escolhemos cores (seja você designer de interiores como eu, arquiteto, designer gráfico, vitrinista…) também queremos tocar o coração e usar a cor de uma forma inspiradora. E ainda, mesmo sem se tratar de um projeto formal, sempre queremos usar cores de uma forma harmoniosa e que sirva para o fim que temos em mente. Como usar cor como um artista não precisa ser um segredo. Venha comigo que vou te mostrar lindas obras com boas dicas de como usar cores.


A força das cores complementares: na obra The Red Boats at Argenteuil (1875) de Claude Monet (1840-1926) vemos como as cores complementares ficam mais vibrantes quando colocadas lado a lado. Nela os barcos vermelho-alaranjados e seus reflexos contrastam com as algas verdes brilhantes. Na obra The Blue Veil (1898) de Edmund Charles Tarbell (1862-1938) pintor impressionista americano, o contraste do violeta com o amarelo é marcado pela suavidade e a transparência sugestiva do véu.


Cores quentes que avançam e cores frias que retrocedem: nesta obra de Paul Cezanne (1839-1906) que data por volta de 1879, as frutas aparecem primeiro, avançam puxadas pelas cores calorosas que captam o olhar em forma imediata. Os bowls, a toalha de mesa e tudo que resta na cena, é levado para trás usando cores azuladas e frias, que acentuam a distância com as cores quentes das frutas.


Cores e emoções - Paz: não existe cor sem emoção, e os artistas desde sempre sabem isso. Há inúmeras obras que fazem uso da cor para nos transmitir um sentimento ou uma sensação, de uma forma muito clara e direta. Gustav Klimt (1862-1918) nos deixa um profundo sentimento de paz na obra Island in the Attersse (1902). Conhecemos mais a Klimt pelos retratos de belas mulheres finamente ornamentadas, mas durante 16 anos da vida dele (1900-1916) visitou a região de Salzkammergut nos alpes e desses anos restam muitas obras de paisagens. Podemos imaginar que certamente eram temporadas mais do que deliciosas para fazer tão belo registro.